HOME DIOCESE CLERO SERVIÇOS DOWNLOADS CNBB STA SÉ / VATICANO CONTATO
(19) 3441-5329 | contato@diocesedelimeira.org.br     

Festa do Batismo do Senhor

“Batizado por João no rio Jordão (...) ao sair da água, viu o céu se abrindo”

Leituras: Isaías 42, 1-4.6-7; Salmo 28 (29) 1.2.3ab-4.9b-10 (R/ 11b); Atos dos Apóstolos 10, 34-38; Marcos 1, 7-11.

COR LITÚRGICA: BRANCA OU DOURADA

Animador: Celebramos hoje o Batismo de Jesus, o Filho bem-amado do Pai. Com esta festa, encerra-se o ciclo do Natal, tempo em que recordamos a vinda de Deus até nós. O Batismo de Jesus nos remete a considerar nosso próprio batismo e os compromissos que dele assumimos. O Papa Francisco em sua exortação Apostólica “Evangelli Gaudium” diz que devemos ser “‘Evangelizadores com espírito’ quer dizer evangelizadores que rezam e trabalham. Do ponto de vista da evangelização, não servem as propostas místicas desprovidas de um vigoroso compromisso social e missionário, nem os discursos e ações sociais e pastorais sem uma espiritualidade que transforme o coração” (EG 262).

1. Situando-nos brevemente

Recordamos, neste domingo, o dia em que Jesus foi batizado no Jordão, revelando para nós outro aspecto de sua encarnação, de sua epifania: a manifestação pública de sua adesão ao Pai e a missão que lhe foi confiada como Filho amado e fiel.

Este fato contém todo o itinerário que Jesus deverá percorrer, como Servo, como Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo. Expressa toda sua disposição de mergulhar, assumindo profundamente nossa humanidade, numa inacreditável ato de solidariedade que o leva até a cruz.

A festa do Batismo do Senhor revela, ao mesmo tempo, quem é Jesus e o que Ele fez, quem são os seus seguidores e o que são chamados a realizar na sociedade. Não são suficientes belas celebrações. O que se requer é um compromisso com a justiça que cria novas relações na comunidade e fora dela.

Ao celebrar o Batismo de Jesus poderemos recordar o Batismo que recebemos, que nos fez seguidores de Jesus e participantes de sua missão.

2. Recordando a Palavra

O texto segundo Isaías é o primeiro cântico do Servo do Senhor, descrevendo sua vocação profética, sua missão, a escolha divina. É Deus mesmo que o apresenta como eleito. O servo é descrito como aquele que possui o Espírito de Deus e nisso se assemelha aos juízes do passado do povo de Deus. O povo gostaria de juízes e afirmava que eram movidos pelo Espírito do Senhor. Na mesma perspectiva dos juízes, a tarefa do Servo é implantar o direito, a justiça e o desígnio de Deus.

Sua missão é universal: nações terra, ilhas, todos os que estão à espera do estabelecimento do Reinado da justiça. O Servo não realizará sua missão através de armas ou violência. Seu estilo de ação e novo: suavidade e mansidão com o fraco e o vacilante; firmeza no sofrimento e perseverança na realização da missão. Não quebrará o fraco, nem se deixará quebrar.

Deus o formou e o chamou para ser mediador da Aliança e seu revelador aos estrangeiros: luz para as nações. A cegueira e a prisão são alusões ao exílio na Babilônia, onde o povo perdeu a liberdade, tornou-se escravo e perdeu sua raiz mais profunda: a fé em Deus, em si próprio e na vida.

O Salmo 28 (29) é um hino de louvor. O povo todo é convidado a aclamar o Senhor, que manifesta sua glória em uma tempestade. O povo o reconhece como Senhor da natureza, mais forte do que todos os elementos. Deus é o aliado que abençoa o seu povo com a paz. Sete vezes se repte a expressão “voz de Deus”: Jesus Cristo é a voz de Deus. O Verbo que se fez gente!

Ouvimos hoje nos Atos dos Apóstolos a afirmação de que Deus não faz acepção de pessoas. É o início do discurso de Pedro na da do centurião Cornélio, quando Pedro sanciona a admissão dos “pagãos” ao Evangelho sem obrigá-los aos costumes judaicos. Ele começa com um fato básico da fé: Deus não faz diferença entre as pessoas; não distingue nem privilegia um povo ou uma raça, mas aceita a todos e a cada um que o reconhece como Senhor e pratica a justiça.

Pedro fala de Jesus de Nazaré como acontecimento que trouxe a Boa-Nova da paz e “Como Jesus de Nazaré foi ungido por Deus com o Espírito Santo e com poder. Por toda a parte, ele andou fazendo o bem e curando a todos que estavam dominados pelo diabo; pois Deus estava com ele” (10,38).

O Batismo de Jesus no Jordão, narrado pelo Evangelista Marcos tem como base Isaías 63, 11.19, onde se evoca a figura de Moisés, dia da páscoa judaica, e a abertura do céu como imagem da desejada ação divina em favor do seu povo. Em Marcos, Jesus é apresentado como o novo Moisés e pastor que vai conduzir o povo na nova páscoa a ser realizada co o seu verdadeiro Batismo: a cruz e a ressurreição.

Neste sentido, o evangelista chama atenção aos dois movimentos. Jesus que se faz batizar (mergulhar submergir como sinal da sua glorificação, a ressurreição). Os céus se abrem com a proclamação da filiação divina de Jesus. É o testemunho maior de que fala a segunda leitura. Por um lado, eles e mais que o servo Moisés e mais que o rei. E o contraste com o homem de Nazaré da Galileia, que se solidariza com os demais ao submeter ao Batismo de João, reforça o caráter pascal do evento narrado.

São as duas faces do mesmo acontecimento salvífico: aprofundamento da encarnação (Natal) que aponta na direção da Páscoa que aqui se anunciar nas imagens batismais. A inspiração de Isaías 63,19 dada ao trecho evangélico ressoa na primeira leitura: os céus se abriram e Deus enviou sua Palavra para a missão de fecundar a terra. A Palavra que desceu e se encarnou, cumpriu a sua missão e voltou ao seio do Pai na glorificação.

3. Atualizando a Palavra

“Tu és meu Filho bem amado, eu hoje, te gerei!” (Lc 3,22). São para nós essas palavras confortadoras que só podemos ouvir quando estamos em profunda oração! Em Cristo somos filhos e filhas muito amados, gerados a cada dia pela misericórdia e bondade do Pai!

Não foi por razões humanas, como o sucesso ou competição que Jesus assume a missão messiânica, mas disponibilidade à vontade do Pai. Sobre Ele repousa o “dinamismo” de Deus. No Batismo, Ele mergulha mais profundamente em nossa humanidade, para que em sua ressurreição todos nós nos ergamos plenificados nele.

O seu Batismo consagrou-o na missão do Servo do Senhor. Em Jesus, o Pai reafirma a aliança com toda a humanidade. De modo semelhante a Jesus, pelo nosso Batismo fomos capacitados pelo Espírito para a missão e adotados como filhos de Deus.

Em Jesus, no Jordão, termina todo o exílio da humanidade, e inicia a missão sacerdotal, profética e régia do Ungido e essa missão nos foi transmitida. Unidos a Jesus, nos tornamos, com Ele, sacerdotes, profetas e reis. Jesus passou a vida “fazendo o bem e curando a todos os que dominados pelo diabo” (At 10,38). Sua razão de viver era a proclamação do Reino de Deus.

Como seguidores e seguidoras de Jesus Cristo, fomos convocados, não apenas para repetir os ritos do Batismo, mas seguir seu exemplo, divulgar sua mensagem, sua obra, continuando sua missão. “Banhados em Cristo, somos uma nova criatura! As coisas antigas já se passaram, somos nascidos de novo!” (Hinário Litúrgico CNBB – Tríduo Pascal II – faixa 11). Tal comunhão, concedida pelo sacramento primordial que recebemos, faz a comunidade ouvir junto a ele a solene proclamação: “Tu és o meu Filho amado, em ti está o meu agrado” (Mc 1,11).

Os cristãos são filhos amados de Deus, pois em Jesus são contemplados pelo Pai com o mesmo amor e bem-querer. Os cristãos são filhos de Deus no Filho Jesus. Sobre eles também se abrem os céus: Deus continua sua ação salvadora na vida da comunidade e por meio dela. No exercício do amor comunitário prolonga-se o bem-querer divino pelo mundo.

Jesus não achou privilégio ser o amado do Pai, mas assumiu as consequências – uma vida de fidelidade, que o levaria até a Cruz e a Ressurreição! (Cf. Fl. 2,6-11). Celebrando essa festa litúrgica, renovemos o compromisso do nosso batismo, comprometendo-nos com o seguimento do Mestre, no esforço de criação do mundo que Deus quer, um mundo onde reinam o amor, a justiça e a verdadeira paz.  O nosso batismo confirma que somos parceiros de Deus no ato permanente de criação, fazendo crescer o Reino dele, que “já está no meio de nós” (Cf. Mc 1,14).

4. Ligando a Palavra com ação litúrgica

Como povo sacerdotal, assembleia de batizados, proclamamos pela Eucaristia, as maravilhas daquele que nos chamou das trevas à sua luz e aceitamos ser mergulhados com Cristo no mistério de sua entrega filial ao Pai.

Acolhemos em oração, o Espírito que nos é entregue e, na voz do Pai, recebemos a confirmação de sermos seus filhos e amados com a missão de ser luz para as nações e alegres anunciadores da Boa-Nova do Reino.

Celebrando a Eucaristia, vivemos o núcleo da vida batismal, entrando em comunhão com Deus, com os irmãos, com os cosmos, dando sentido pascal à vida. Ouvindo Jesus, o Filho amado, prolongamos no mundo sua missão, de serviço à justiça com suavidade e mansidão, “fazendo o bem e curando a todos” para que todos vivam, de fato, como filhos amados de Deus, concluímos na ração após a comunhão.

No rito da aspersão temos a oportunidade de retomar a descida de Jesus no Jordão (sua morte) e sua subida do Jordão (glorificação). Mas não só isso. Recordamos também a nossa própria morte e ressurreição como processo que se iniciou no nosso Batismo. O cristão, renascido das águas, é chamado a viver sob o signo pascal por toda a sua existência.

Ele deve reconhecer não somente na água, no círio, na cruz, nos cantos e na liturgia o núcleo da sua fé, a morte e ressurreição do Senhor. Deve também reconhecer na sua história pessoal, familiar e comunitária o prolongamento da morte e ressurreição de Jesus: sua descida e mergulho na vida humana e sua subida e emersão para a vida divina.

Em cada sofrimento, angústia, dor e limitação que se vive, é o Cristo que prolonga sua paixão e morte em nós e em nossos irmãos. Em cada vitória, conquista e superação é a sua ressurreição que continua a arrancar dos sepulcros as nossas vidas e as vidas daqueles que se encontram ameaçados pela violência, fome, doenças e pelo pecado. Esse processo pascal é a afirmação contínua do amor e bem-querer que Deus nos tem. No rito da aspersão esse amor se faz manifesto e acessível a todos.

Oração dos fiéis:

Presidente: Depois de feita a nossa renovação das promessas batismais peçamos a graça de Deus para testemunhar, com a força da voz e sem medo, a boa nova da salvação.

1. Senhor que tua Igreja possa sempre oferecer o Sacramento do Batismo a todos que dela se aproximam. Peçamos:

Todos: Ajudai-nos sempre a fazer o bem, Senhor!

2. Senhor que os governantes possam reconhecer que a criação é obra de tua bondade e sabedoria e que sois o Deus único e verdadeiro. Peçamos:

3. Senhor, que nossa comunidade viva autenticamente o Evangelho e promova os valores do teu Reino. Peçamos:

4. Senhor, que possamos viver na mesma identidade de Jesus Cristo, como filhos amados, deixando-nos conduzir pelo Espírito Santo que mora em nós. Peçamos:

(Outras intenções)

Presid.: Ó Deus, ouvi as preces de teus filhos e filhas que batizados na água em nome da Trindade foram imersos em sua graça. Por Cristo, nosso Senhor.

T.: Amém.

III. LITURGIA EUCARÍSTICA

ORAÇÃO SOBRE AS OFERENDAS:

Presid.: Recebei, ó Pai, as oferendas que vos apresentamos no dia em que revelastes vosso Filho, para que se tornem o sacrifício do Cordeiro que lavou em sua misericórdia os pecados do mundo. Por Cristo, nosso Senhor.

T.: Amém.

ORAÇÃO APÓS A COMUNHÃO:

Presid.: Nutridos pelo vosso sacramento, dai-nos, ó Pai, a graça de ouvir fielmente o vosso Filho amado, para que, chamados filhos de Deus, nós o sejamos de fato. Por Cristo, nosso Senhor.

T.: Amém.

BÊNÇÃO E DESPEDIDA:

Presid.: O Senhor esteja convosco.

T.: Ele está no meio de nós.

Presid.: Deus, que vos concedeu a graça de celebrar o Batismo de seu Filho Jesus Cristo, derrame sobre vós a paz e a alegria.

T.: Amém.

Presid.: Cristo, que depois do seu batismo iniciou sua obra evangelizadora, vos conceda a graça de serem evangelizadores em nossa comunidade.

T.: Amém.

Presid.: O Espírito Santo, que ungiu Jesus Cristo neste dia do Batismo do Senhor, ilumine vossos passos e vos faça dignos da filiação divina.

T.: Amém.

Presid.: Abençoe-vos o Deus todo-poderoso Pai, Filho e Espírito Santo.

T.: Amém.

Presid.: Ide em paz e o Senhor vos acompanhe para sempre.

T.: Graças a Deus.

Agenda do bispo Dom Vilson para fevereiro/2018

Dia 01/02 – Quinta-feira: Abertura da Novena – Lampadário na Paróquia N. Sra. de Lourdes, Pe. Fernando Mendes, às 20h00, em Limeira, SP.

Dia 02/02 – Sexta-feira: Missa e Posse de Pároco na Paróquia Santa Teresinha do Menino Jesus, Pe. Deivison do Amaral, às 19h30, em Limeira, SP.

Dia 03/02 – Sábado: Casamento de Murilo Biagiolli, Igreja N. Sra. da Boa Morte e da Assunção, às 20h00, em Limeira, SP.

Dia 03/02 – Sábado: Leitura de Documento de Vigário Paroquial do Pe. Paulo Henrique Oliveira, Basílica Santo Antônio de Pádua, às 18h00, Cidade de Americana.

Dia 04/02 – Domingo: Missa e Posse de Pároco na Paróquia N. Senhora Auxiliadora, Pe. Diego Fabian Humeniuk, às 09h00, em Americana, SP.

Dia 04/02 – Domingo: Missa e Posse de Pároco na Paróquia Santa Gertrudes, Pe. Israel Alves de Souza, às 18h00, em Cosmópolis, SP.

Dia 09/02 – Sexta-feira: Missa e Posse de Administrador Paroquial na Quase-Paróquia Nossa Senhora de Guadalupe, Pe. Isael de Brito, às 19h30, em Americana, SP.

Dia 10/02 – Sábado: Missa e Posse de Pároco na Paróquia São Benedito, Pe. Luís Fabiano Canatta, às 18h00, em Americana, SP.

Dia 11/02 – Domingo: Missa e Posse de Administrador Paroquial na Quase-Paróquia Santa Eulália, Pe. Bruno Gabriel Steim, às 08h30, em Limeira, SP.

Dia 11/02 – Domingo: Missa e Posse de Pároco Paróquia Nossa Senhora do Brasil, Pe. Paulo Sérgio Lopes Gonçalves, às 18h30, em Americana, SP.

Dia 16/02 – Sexta-feira: Missa e Posse de Pároco Paróquia Santa Ana, Pe. Jefferson Luís Leme da Silva, às 19h00, em Limeira, SP.

Dia 17/02 – Sábado: Missa e Posse de Pároco Paróquia São Camilo de Léllis, Pe. Antônio Carlos de Almeida, às 19h30, em Americana, SP.

Dia 22/02 – Quinta-feira: Missa e Posse de Administrador Paroquial na Quase-Paróquia Nossa Senhora de Lourdes, Pe. José Valter Rossini, às 19h30, em Araras, SP.

Dia 23/02 – Sexta-feira: Missa e Posse de Pároco Paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, Pe. Gilmarcos da Silva Teixeira, às 19h30, em Americana, SP.

Dia 24/02 – Sábado: Missa e Posse de Pároco Paróquia Jesus Crucificado, Pe. Rodrigo Alves, às 18h00, em Iracemápolis, SP.

Dia 25/02 – Domingo: Missa e Posse de Pároco Paróquia São Paulo Apóstolo, Pe. Vitor Tomé Minutti, às 08h00, em Limeira, SP.

Dia 25/02 – Domingo: Missa e Crisma na Paróquia São Francisco de Assis, Pe. Ismael Vanderlei Avi, as 16h00, em Araras, SP.

Conheça o Bispo
HOME
 
DIOCESE
Conselhos e Comissões
Centro Diocesano de Limeira (CDL)
Bens Culturais
 
CLERO
 
SERVIÇOS
Secretariado de Pastoral
Rádios
Links Uteis
+ Economato
 
 
CNBB
 
STA SÉ / VATICANO
 
CONTATO
© 2016 Todos os direitos reservados
Diocese de Limeira