HOME DIOCESE CLERO SERVIÇOS DOWNLOADS CNBB STA SÉ / VATICANO CONTATO
(19) 3441-5329 | contato@diocesedelimeira.org.br     

5º Domingo da Quaresma

“Se o grão de trigo cair na terra e morrer, produzirá muito fruto” (Jo 12,24)

 

Leituras: Jeremias 31, 31-34; Salmo 50 (51), 3-4.12-13.14-15 (R/12a); Carta aos Hebreus 5, 7-9; João 12, 20-33.

COR LITÚRGICA: ROXA

Animador: Nossa preparação para a Páscoa é iluminada pela Paixão e Morte de Jesus. Ele anuncia sua morte violenta e explica seu significado: fonte de vida futura e de renovação. Renovação que cria amizade e reconciliação entre as pessoas, em completa oposição ao ódio e à divisão. Que essa vida divina nasça em nossos corações para que possamos sempre dizer “sim” ao projeto de Cristo.

1. Situando-nos

O nosso retiro de quarenta dias está chegando ao fim. Neste domingo, ouvimos a passagem do Evangelho sobre o grão de trigo que cai na terra e morre. Morre e produz frutos infinitos. Nessa mensagem do Evangelho de João, proclama-se a vida eterna e a produtividade iluminada do amor. Onde alguém vive por amor, o mundo se torna uma colheita abundante; uma semente de amor, uma lavoura cheia de trigo. Ainda mais quando este alguém é o Verbo feito carne! Quando o Deus feito homem vive e morre por amor, todos nós brotamos como tantas espigas de trigo, douradas, saudáveis e eternas.

Deste modo, o 5º Domingo da Quaresma nos coloca nos átrios da glorificação de Jesus. Ele mostra qual o seu caminho para a glória dos que desejam vê-lo (Cf. Jo 12, 20-33); é o caminho da cruz, o caminho da semente lançada à terra, que não fica só, mas, morrendo, produz muito fruto. É chegada a hora de Jesus. Trata-se de sua paixão e ressurreição, pela qual ele se lança totalmente no plano do Pai e realiza de modo pleno sua vontade.

Jesus prometeu aos que desejam vê-lo: “Quando eu for levantado da terra, atrairei todos a mim” (Jo 12,32). Acrescenta o evangelista: “Ele falava assim para indicar de que morte iria morrer” (Jo 12, 33).

2. Recordando a Palavra

Na primeira leitura (Jr 31, 31-34), texto relevante do Primeiro Testamento que se encontra no “Livro da Consolação de Israel” (Jr 30-31), Deus sela a reconciliação estabelecendo uma nova Aliança. A Aliança do Sinai, que o Senhor concluiu com o povo, quando o tirou da escravidão do Egito (cf vv. 31-32), não teve êxito. Esta exigia adesão exclusiva ao Senhor, traduzida no cumprimento integral da lei, a qual era formulada com toda a clareza e respaldada por bênçãos e maldições.

Mas, era externa, gravada em uma pedra, com a qual as pessoas não sintonizavam. A nova Aliança inscreverá a lei no fundo do ser e no coração, de modo que se converta no impulso ou dinamismo da conduta; o coração estará regenerado, convertido pela marca viva da lei. “Colocarei a minha lei no seu coração, vou gravá-la em seu coração; serei o Deus deles, e eles, o meu povo” (Jr 31,33).

Assim, se restabelecem as relações pessoais, substância autêntica da aliança. O conhecimento e reconhecimento do Senhor se traduzem em compromisso.

Um “perdão” total, sem reservas, é o primeiro ato da reconciliação, no qual se manifesta o “amor eterno” do Senhor. Vale notar que Jeremias 31, 31-34 é amplamente citado no Segundo Testamento (Cf. Rm 11, 27; Hb 8,8-12; 10, 16-17).

Em termos de aliança, o Senhor é o soberano que cumpriu seus compromissos, em termos de matrimônio, o Senhor é o marido ao qual a esposa – o povo – foi infiel.

Na verdade, já não necessitamos mediações exteriores (sacrifícios, ritos legais, tábuas de pedra), pois o Senhor fez conosco uma aliança definitiva, gravada em nosso coração, escrita em nosso peito, pois somos o novo Povo de Deus. Esta nova Aliança nos dá a esperança e a certeza de pertencermos a uma nova humanidade reconciliada.

O Salmo 50 (51) pede que, com sua graça, Deus crie em nós um coração puro e confirme em nosso interior um espírito novo, contrito e simples. Ao arrepender-nos de nossa infidelidade, reconhecemos que somente Deus é fiel. O perdão divino é a oportunidade que temos de retomar a proposta da Aliança.

A segunda leitura (Hb 5, 7-9) mostra que o caminho da salvação passa pela obediência e fidelidade: “Embora fosse Filho aprendeu, contudo, a obediência pelo sofrimento: e, levado à perfeição, se tornou para todos os que lhe obedecem, fonte de salvação eterna” (vv.8-9).

Em Cristo Jesus, a nova Aliança é concluída; morrendo por nós, ele se torna princípio de salvação eterna. No exercício do seu sacerdócio, Jesus se apresenta perfeitamente humano (cf. Hb 5,1), semelhante a nós em tudo, menos no pecado. Em sua vida terrestre, experimenta o sofrimento e dirige-se ao Pai, que era capaz de salvá-lo da morte, com forte clamor e lágrimas. É um Deus que se aproxima do ser humano e de cada um de nós em tudo, particularmente na experiência da dor, do sofrimento.

Este é o domingo do grão caído na terra (cf Jo 12, 20-33). Para falar de vida, João utiliza no seu Evangelho a imagem do grão de trigo. Interessante! O semeador se faz semente: “Saiu o semeador a semear” (Mt 13,3). Como os Evangelhos foram escritos após a Páscoa, esse semeador já é o Cristo Ressuscitado, saído de Deus para semear a semente do Reino, a semente do Reino do amor. Mas, esse semeador, o Verbo feito carne, em João, se fez semente, grão de trigo caído na terra para fecundar.

Eis a lógica do Amor: não pode fazer outra coisa senão dar a vida. Mas, para expressar-se em sua totalidade, ele deve ir até a morte: “Se o grão de trigo que cai na terra não morrer, fica só. Mas, se morre, produz muito fruto” (Jo 12,24). Um grão de trigo, que é colocado na terra vai transformar-se para se converter em espiga com intocáveis grãos. Assim também acontece com aquele ou aquela que nós amamos. Mas por quê? Simplesmente porque o Amor, para existir ou subsistir, não pode fazer sofrer e morrer aquele ou aquela que deseja amar. Um dia ou outro, todos devemos nos ultrapassar a nós mesmos.

Essa é a hora do Amor que vai exatamente até o final de nós mesmos, como a mulher grávida, pois o Amor dá a vida: “A mulher, quando vai dar à luz, fica angustiada, porque chegou a sua hora. Mas depois que a criança nasceu, já não se lembra mais das dores, na alegria de um ser humano ter vindo ao mundo” (Jo 16, 21). Eis porque, para manifestar a totalidade do Amor, Jesus entregou a sua vida para que nós tivéssemos Vida: “Ninguém tem amor maior do que aquele que dá a vida por seus amigos” (Jo 15,13).

Com o Evangelho de hoje estamos longe dos julgamentos, das condenações e das exclusões. Isso não nos conduz a lugar nenhum, mas ao contrário, para bem longe do Deus de Jesus Cristo: “Quando eu for levantado da terra, atrairei todos a mim” (Jo 12,32). Morrendo numa cruz por amor, Cristo salva a todos sem exceção.

É a hora de Jesus, que coincide com a sua exaltação, e que é, antes de tudo, elevação na cruz (cf. vv 32-33). João coloca a morte de Jesus como glorificação, mas não esconde o drama humano da sua existência, o drama da obediência ao Pai.

Aproximando-nos da Páscoa, neste quinto domingo da Quaresma, estamos face a face com o ponto central da nossa fé. Diante do Crucificado, cada um de nós se encontra sozinho: é o mistério da cruz que implica solidão.

O Cristo crucificado e ressuscitado, o Cristo da Páscoa, realizou plenamente a Aliança nova anunciada pelo profeta Jeremias (primeira leitura de hoje). A Aliança nova, inscrita nos corações, torna-nos capazes de amar, e nos convida a libertar outras pessoas de tudo o que as impede de amar.

3. Atualizando a Palavra

Quando São Bento diz que toda a vida do monge deve ser uma Quaresma (Cf. Regra Beneditina 49,1) não está falando antes de tudo de penitência. Ele está falando da Páscoa deste mundo, está insistindo que vivamos toda a nossa existência cristã iluminada pelos raios da ressurreição. A liturgia da Palavra de hoje, cujo eixo é a imagem do grão de trigo que cai na terra e produz fruto, antecipa o sentido da Páscoa de Jesus e também da nossa.

Os gregos quiseram ver Jesus. Encontraram Filipe e André que os conduziram a ele. Tendo visto Jesus e acreditado nele, Filipe e André guiam outras pessoas para verem e conhecerem Jesus. É a vocação de todos os que queiram seguir a Cristo. Tendo visto Jesus e feito a experiência de Deus em nossa vida, - “vinde e vede” (Jo 1, 39) – tendo aceitado transformar-nos em semente lançada a terra, somos chamados a conduzir outras pessoas a Jesus, para o verem, para o seguirem, para viverem a sua vida.

A Quaresma é tempo oportuno para nos perguntarmos: como cultivamos a graça e ao mesmo tempo o desafio do nosso discipulado de Jesus? Queremos ver Jesus de verdade? Temos os olhos fixos nele? Renovamos aquela aliança de amor com Cristo (lei gravada em nosso coração), iniciada no Batismo?

Em Hebreus, vemos a semelhança de Jesus com cada um de nós: ele viveu o dia a dia do sofrimento humano. Ele experimentou a nossa condição humana, conheceu nossas fraquezas. Não é um sacerdote separado das pessoas pelas quais intercede e oferece sacrifícios. Não é um Deus distante, mas bem próximo.

A sua obediência foi sendo construída, conquistada, aprendida pelo sofrimento. E só quando consumado, perfeito, chegou a ser causa de salvação eterna para todos os que lhe obedecem. Jesus é o Messias, Servo humilde: ele assume as dores e esperanças de seu povo na contramão do poder dos reis deste mundo. Que sentido tem o sacerdócio para nós? Recorremos à oração quando não entendemos a vontade de Deus em nossa vida, como o fez Jesus?

O caminho de Jesus é o caminho da cruz que se faz luz, pois é caminho de vida. Ficamos parados ou bloqueados na Sexta-feira Santa? O que esperamos para fazer com que se levante o Sol da Páscoa em nossa vida? Ele é um ponto de referência em nossa noite?

Seguir a cruz como coluna luminosa em meio ao deserto não significa contentar-nos com o sofrimento e a morte, mas é seguimento do Cristo vivo. O mais importante não é despender o tempo impondo-nos sacrifícios, privações e mortificações, mas seguir o mesmo itinerário de vida de Jesus. Este Amor que morre por amor a nós, crucificado, já se transformou em luz que atravessa as trevas das nossas provas?

4. Ligando a Palavra com ação litúrgica

Cristo está sempre presente na Igreja, especialmente nas ações litúrgicas. Está presente em especial nas espécies eucarísticas. Está presente em sua Palavra, pois é ele quem fala quando se lê a Escritura na Igreja. Cristo está presente na oração e no canto da comunidade reunida, pois prometeu “estar no meio de dois ou três que se reunissem em seu nome” (Cf. Mt 18,20). (Cf. Sacrosanctum Concilium, n.7).

Portanto, podemos sempre ver e encontrar Jesus nas celebrações litúrgicas. Na Palavra, que é ele mesmo, entramos em contato com a sua sabedoria, que nos comunica vida. Na Eucaristia, nos alimentamos do Pão da Vida, nos unimos intimamente a Cristo, recebemos a força para a caminhada e renovamos a Aliança que ele nos oferece no seu sangue.

Que a comunhão no sacrifício de Jesus nos faça aceitar por amor as dificuldades, os sofrimentos, a cruz da nossa via, como passageiros (=páscoa) necessária para a salvação e a alegria perfeita.

Assim como Jesus, grão germinando na terra pela força do Espírito, já não morre, já não tem poder sobre ele, também nós, que morremos com ele, brotamos como espigas de trigo para uma vida que não tem fim.

Jesus, cuja memória celebramos na Palavra e na Eucaristia, é o Deus que venceu a morte e fez brilhar a vida para sempre. Mesmo que o cenário social, político e econômico em que vivemos seja conflituoso, ainda que haja violência, mortes prematuras, injustiças contra os pobres, desigualdades sociais, doenças, nós temos a certeza de que da morte surge a vida, que do grão de trigo caído na terra surge vida nova e ressurreição.

O pão e o vinho da Eucaristia remetem à última ceia. Num gesto profético, anunciando a sua morte, Jesus partiu o pão e deu um pedaço a cada um de seus discípulos, significando que, comendo este pão, eles se tornariam companheiros e cúmplices na entrega da vida em favor do Reino. Eis o nosso compromisso com a causa do Reino, a causa de Jesus, nesta celebração já tão próxima da festa da Páscoa.

Oração dos fiéis:

Presidente: Viver a Quaresma é ir ao encontro do próximo, abandonando a acomodação. É buscá-lo onde ele está, sem temer as consequências, inclusive aquilo que podem pensar ou dizer de nós. É sair para que o encontro aconteça, para que ambos se abram à conversão e à renovação de vida. Peçamos ao Pai esta graça.

III. LITURGIA EUCARÍSTICA

ORAÇÃO SOBRE AS OFERENDAS:

Presidente: Deus todo-poderoso, concedei a vossos filhos e filhas que, formados pelos ensinamentos da fé cristã, sejam purificados por este sacrifício. Por Cristo, nosso Senhor.

Todos: Amém.

ORAÇÃO APÓS A COMUNHÃO:

Presidente: Concedei, ó Deus todo-poderoso, que sejamos sempre contados entre os membros de Cristo cujo Corpo e Sangue comungamos. Por Cristo, nosso Senhor.

Todos: Amém.

BÊNÇÃO E DESPEDIDA:

Presidente: O Senhor esteja convosco.

Todos: Ele está no meio de nós.

Presidente: Que a graça de Deus esteja sobre vocês, para dar muitos frutos na vida e os sustentem na luta contra o mal, para poderem, com Cristo, celebrar a vitória da Páscoa.

Todos: Amém.

Presidente: O Senhor Jesus Cristo, modelo de oração e de vida, os guie nesta caminhada quaresmal a uma verdadeira conversão.

Todos: Amém.

Presidente: O Espírito de sabedoria e fortaleza os sustente na luta contra o mal para poderem com Cristo celebrar a vitória da Páscoa. Todos: Amém.

Presidente: (Dá a bênção).

 

Agenda de Dom Vilson para março/2018

Dia 10/03 – Sábado: Missa e apresentação de Vigário Paroquial do Pe. José Avelino, às 19h00, Basílica N. Sra. do Patrocínio, em Araras, SP.

Dia 11/03 – Domingo: Missa e Posse de Pároco na Paróquia São Sebastião, Pe. Jhonatan Kaio de Melo, às 09h00, em Leme, SP e Missa de São José, 2º dia da Novena, na Paróquia São José, Pe. Alan, às 19h30, em Araraquara, SP.

Dia 15/03 – Quinta-feira: reunião geral dos presbíteros, a partir das 09h00, CDL.

Dia 16/03 – Sexta-feira: Missa e Inauguração da Capela Nossa Senhora dos Peregrinos Romeiros, às 20h00, em Limeira, SP (Território: Par. Sta. Luzia Limeira).

Dia 17/03 – Sábado: Missa e Posse de Administrador Paroquial na Quase-Paróquia Santo André, Pe. Alexander José da Silva, às 18h30, em Limeira, SP.

Dia 18/03 – Domingo: 09h00 – Missa de criação da Paróquia São José, Pe. Evandro Lopes, Americana, SP; Missa de abertura Escola Diaconal, às 10h00, na Catedral N. Sra. das Dores, em Limeira, SP (Pe. Júlio); e Missa e Posse de Pároco na Paróquia São Paulo Apóstolo, Pe. Vitor Tomé Minuti, às 19h00, em Limeira, SP.

Dia 19/03 – Segunda-feira: Missa do 1º. Aniversário de instalação da Paróquia São José, Pe. Evandro Lopes, às 19h30, na cidade de Americana, SP.

Dia 21/03 – Quarta-feira: Reunião dos Bispos da Província, às 9h00, em Amparo, SP; Missa de envio, às 20h, na Capela dos Romeiros – Valdevino (Território: Par. Sta. Luzia Limeira).

Dia 22/03 – Quinta-feira: Reunião com o auditor da Pastoral da Criança, às 10h, Residência Episcopal.

Dia 23/03 – Sexta-feira: Missa e Posse de Administrador Paroquial, Quase-Paróquia Santa Marta e Santa Paula, Pe. Isaías Daniel, às 19h00, em Leme, SP.

Dia 25/03 – Domingo: Missa de Ramos: em local mais proximamente definido pelo bispo.

Dia 29/03 – Quinta-feira: Missa do Crisma e Renovação das Promessas Sacerdotais às 9h00, Catedral, em Limeira, SP; Missa do Lava-pés em local mais proximamente definido pelo bispo.

Dia 30/03 – Sexta-feira Santa: Celebração da Paixão do Senhor: em local mais proximamente definido pelo bispo.

Dia 31/03 – Sábado Santo: Missa da Vigília Pascal às 20h00, na Catedral N. Sra. das Dores, em Limeira, SP.

Dia 01/04 – Domingo de Páscoa: (manhã) Missa da Páscoa da Ressurreição em local mais proximamente definido pelo bispo.

Conheça o Bispo
HOME
 
DIOCESE
Conselhos e Comissões
Centro Diocesano de Limeira (CDL)
Bens Culturais
 
CLERO
 
SERVIÇOS
Secretariado de Pastoral
Rádios
Links Uteis
+ Economato
 
 
CNBB
 
STA SÉ / VATICANO
 
CONTATO
© 2016 Todos os direitos reservados
Diocese de Limeira