HOME DIOCESE CLERO SERVIÇOS DOWNLOADS CNBB STA SÉ / VATICANO CONTATO
(19) 3441-5329 | contato@diocesedelimeira.org.br     

4º Domingo da Quaresma

“Deus é rico em misericórdia” (Ef 2,4)

Leituras: Josué 5, 9-12; Salmo 33 (34); Segunda Carta de São Paulo aos Coríntios 5, 17-21; Lucas 15, 1-3.11-32.

COR LITÚRGICA: ROXA

Animador: Nesta Eucaristia, Deus nos abriga em seus braços como filhos transviados que somos. “Como filhos mais velhos” continuamos recebendo seu convite para vencer a inveja e participar da alegria da reconciliação. O sonho de Deus é que sejamos misericordiosos como ele é misericordioso, ou como diz o Papa Francisco em sua Bula de Proclamação do Jubileu Extraordinário da Misericórdia: Misericordiae Vultus, “Misericordiosos como o Pai” (nº 13). Somos convidados a entrar no banquete do seu amor, a deixar nosso coração se alegrar com a música da festa, com as coisas boas que acontecem, e aí encontrar motivos para bendizer a Deus.

1. Situando-nos

Na caminhada rumo à Páscoa, atingimos o quarto estagio de nosso grande retiro. À medida que os dias passam, e as festas pascais se aproximam, aumenta nossa alegria. “Alegra-te, Jerusalém! Reuni-vos, vós todos que a amais, vós que estais tristes, exultai de alegria! Saciai-vos com a abundância de suas consolações”.

O Senhor nos acolhe e convida a tomarmos parte no banquete do seu amor misericordioso, deixar o nosso coração transbordar de alegria com a música da festa, com as coisas boas que aconteceram na convivência com as pessoas e a buscar no interior de nossa vida motivos para bendizer ao Senhor.

Neste quarto domingo da Quaresma ressoa o convite de participarmos na alegria do Pai, que agora, por meio de Jesus Cristo, acolhe e salva os pecadores. O amor e a bondade de Deus libertam as pessoas de suas misérias, da solidão e do desespero.

Para que isto aconteça, se faz necessário entrar na lógica do amor e da bondade do Pai que se revelam em Jesus. “Misericórdia: é o ato último e supremo pelo qual Deus vem ao nosso encontro. Misericórdia: é a lei fundamental que mora no coração de cada pessoa, quando vê com olhos sinceros o irmão que encontra no caminho da vida” (MV, n.2).

A liturgia, deste domingo, convida-nos a experimentar a alegria da Páscoa que se aproxima, porque já não há mais lugar para tristezas, pois o amor misericordioso do Pai por nós, seus filhos, nos torna participantes de seu banquete. “Precisamos sempre contemplar o mistério da misericórdia. É fonte de alegria, serenidade e paz. É condição da nossa salvação” (Idem).

2. Recordando a Palavra

O anúncio da boa nova de Jesus atrai e aproxima d’Ele os cobradores de impostos e os pecadores. Isto irrita a ortodoxia religiosa. Para o sistema religioso, fundamentado na lei e na justiça, o pecador compromete a aliança e a salvação dos justos. Ele deve ser evitado. Ante a murmuração dos escribas e fariseus, Jesus narra para eles a parábola na qual o pai faz festa na acolhida do pecador que retorna. Em rápidas e acertadas pinceladas, descreve a separação e o afastamento do jovem filho de seu pai até a mais degradante condição de vida.

Reduzido à fome e constrangido, busca sobrevivência junto a um estrangeiro, que o envia a cuidar de animais impuros (porcos). Na solidão e na fome, o jovem lembra com saudade a casa paterna. Pelo pão da sobrevivência, dispõe-se até a trocar a sua condição de filho. Mas eis que entra em cena o pai. Vai ao seu encontro, o acolhe e o reabilita na condição de filho. Ante à confissão do jovem, o pai responde com gestos e sinais que o proclamam a pessoa livre e digna de participar da mesa paterna, num clima de alegria e festa.

No contraponto da parábola está o irmão mais velho, tomado pela raiva, ciúme e menosprezo pelo irmão que retornou. Presente, mas indiferente e calculista, acusa o pai de ser injusto com ele. Novamente o pai toma a iniciativa, gratuitamente vai ao encontro do filho, no intuito de removê-lo de sua teimosia para participar da sua alegria. A reação espontânea e justa ao renascimento, à vida do filho “que estava morto e tornou a viver, estava perdido e foi reencontrado”, não é outra senão a alegria e a festa.

Na parábola, apesar de todas as evidências, falta um “final feliz”. Provavelmente este fique por contra da conversão do “filho mais velho” e da experiência da misericórdia de Deus que cada um de nós poderá experimentar. A parábola do filho pródigo é a mais concreta expressão da obra do amor e da presença da misericórdia no mundo humano (Evangelho).

O Livro de Josué, que narra a entrada do povo de Israel na Terra Prometida, constitui-se numa catequese que ressalta a afeição do Senhor por seu povo. Para os israelitas, instalados na nova terra, aproximava-se a celebração da primeira Páscoa. Agora, Israel é um Povo renovado que firmou uma aliança com o Senhor. O rito da circuncisão realizado por Josué se apresenta como uma espécie de “conversão” coletiva, que põe um ponto final na “opressão do Egito” e acena para um “tempo novo”.

A Páscoa, celebrada em terra livre, marca o início da nova vida. Israel é, agora, um Povo novo, o Povo eleito, comprometido com o Senhor que, com seu braço forte, o conduziu à Terra de onde “corre leite e o mel”. A misericórdia torna a história de Deus com Israel uma história da salvação (Primeira Leitura).

O entusiasmo por este novo tempo faz o salmista cantar: “Provai e deve quão suave é o Senhor!”. “Bendirei o Senhor Deus em todo o tempo, seu louvor estará sempre em minha boca” (Salmo Responsorial).

Paulo analisa as relações dos cristãos de Corinto e enfatiza a necessidade premente de reconciliação entre eles e com Deus. “Daí a ardente chamada do Apóstolo a que os coríntios se deixem reconciliar com Deus”. Aderir à proposta de Cristo é acolher a oferta de reconciliação que Deus faz. Ser cristão implica estar reconciliado com Deus e com os outros homens. Isto é, ser na prática, uma criatura nova, um ser humano renovado (segunda leitura).

3. Atualizando a Palavra

“Nas parábolas dedicadas à misericórdia, Jesus revela a natureza de Deus como a de um Pai que nunca se dá por vencido enquanto não tiver dissolvido o pecado e superado a recusa com a compaixão e a misericórdia.

Conhecemos estas parábolas, três em especial: os da ovelha extraviada e da moeda perdida, e a do pai com os seus dois filhos (cf. Lc 15, 1-32). Nestas parábolas, Deus é apresentado sempre cheio de alegria, sobretudo quando perdoa. Nelas, encontramos o núcleo do Evangelho e da nossa fé, porque a misericórdia é a apresentada como a força que tudo vence, enche o coração de amor e consola com o perdão” (MV, n.9)

Jesus nos revela e nos ilustra o agir misericordioso de Deus. Ele próprio se constitui na manifestação do rosto misericordioso de Deus Pai. “Revela Deus ‘rico em misericórdia’” (cf. Ef 2,4). Esta verdade, mais do que tema de ensino, é realidade que o Cristo nos tornou presente. Tornar presente o Pai como amor e misericórdia, constitui na consciência do próprio Cristo, ponto fundamental do exercício da sua missão messiânica.

Baseando-se neste modo de manifestar a presença de Deus, que é Pai, amor e misericórdia, Jesus faz da mesma misericórdia um dos principais temas da sua pregação (JOÃO PAULO II, Carta encíclica Dives in Misericordia, 3).

Celebrando hoje o mistério do amor misericordioso de Deus, vemos que a parábola põe em cena três personagens: o pai, o filho mais novo e o filho mais velho. Três figuras que se transformam em referenciais para o nosso modo de ser e agir.

O pai é o protagonista da parábola. É apresentado como uma figura excepcional, que conjuga o respeito pelas decisões e pela liberdade dos filhos, com um amor gratuito e sem limites. Esse amor manifesta-se na comoção com que abraça o filho que volta, mesmo sem saber se esse filho mudou a sua atitude de orgulho e de autossuficiência em relação ao pai e à casa. Trata-se de um amor que permaneceu inalterado, apesar da rebeldia do filho. Um pai que continuou amando, apesar da ausência e da infidelidade do filho.

O filho mais novo é ingrato, insolente e obstinado, que exige do pai muito mais do que aquilo a que tem direito (cf. Dt 21,15-17). Sua atitude antecipa a morte do pai (Eclo 33,20-24). Além disso, abandona a casa e o amor do pai e dissipa os bens que o pai colocou à sua disposição. É uma imagem de egoísmo, de orgulho, de autossuficiência e de total irresponsabilidade.

Da perda dos bens materiais brota a consciência da dignidade pedida e da condição de filho desperdiçada. Aqui emerge a grandeza da relação filial com o pai. “Só agora o jovem descobre que é filho, e só agora pode perceber toda da gravidade do mal cometido: fazer injustiça a um pai assim é algo grave” (CENCINI A. Viver Reconciliados. São Paulo. Ed. Paulinas. 2002, p.75).

Decididamente, o jovem filho empreende o caminho de retorno à casa do pai. É o apelo do tempo quaresmal: “Deixai-vos reconciliar com Deus”! O abraço reconciliador do pai faz o pecador experimentar a alegria do perdão.

Na cena há alguém que não entende a festa e nem a suporta: o filho mais velho. Ele é o “certinho” que sempre fez o que o pai mandou, que cumpriu as normas e que nunca passou por sua cabeça abandonar a casa do pai. No entanto, seu modo de proceder se pauta mais pela lógica da “justiça” do que da “misericórdia”. Este filho está satisfeito em servir um pai-patrão e incomodado diante “do pai cuja alegria é perdoar” (cf. JOÃO PAULO II, Carta encíclica Dives in misericordia, 5).

A Quaresma, ao mesmo tempo em que nos convida ao retorno à casa do Pai, “deixando-nos reconciliar por ele”, apela à misericórdia solidária: “Jesus Cristo ensinou que o homem não só recebe e experimenta a misericórdia de Deus, mas é também chamado a ‘ter misericórdia’ para com os demais. A Igreja vê nestas palavras um apelo à ação, à prática de misericórdia. Se todas as bem-aventuranças do Sermão da Montanha indicam o caminho da conversão e da mudança de vida, a que se refere aos misericordiosos é particularmente eloquente a tal respeito. O Ser humano alcança o amor misericordioso de Deus e a sua misericórdia, na medida em que ele próprio se transforma interiormente, segundo o espírito de amor para com o próximo” (Cf. JOÃO PAULO II, Carta encíclica Dives in Misericordia, 15).

4. Ligando a Palavra com a ação eucarística

Neste domingo a Igreja reza: “Vós, Deus de ternura e de bondade, nunca vos cansais de perdoar. Ofereceis vosso perdão a todos convidando os pecadores a entregar-se confiantes à vossa misericórdia” (Oração Eucarística sobre Reconciliação I). A Eucaristia é a celebração do amor cheio de compaixão do nosso Deus que entrega o seu Filho amado para a salvação da humanidade.

Na Eucaristia Jesus faz de nós testemunhas da compaixão de Deus pelos outros. Amor misericordioso revelado em Jesus crucificado e ressuscitado, isto é, no Mistério Pascal. Recorramos, pois, a tal amor que permanece amor paterno, como nos foi revelado por Cristo na sua missão messiânica, e que atingiu o ponto culminante na sua Cruz, morte e ressurreição!

“A Eucaristia aproxima-nos sempre do amor que é mais forte do que a morte. Com efeito, ‘todas as vezes que comemos deste Pão e bebemos deste Cálice’, não só anunciamos a morte do Redentor, mas proclamamos também a sua ressurreição, ‘enquanto esperamos a sua vinda gloriosa’. A própria ação eucarística, celebrada em memória daquele que na sua missão messiânica nos revelou o Pai por meio da Palavra e da Cruz, atesta o inexaurível amor, em força do qual Ele deseja sempre unir-se e como que tornar-se uma só coisa conosco, vindo ao encontro de todos os corações humanos” (cf. JOÃO PAULO II, Carta encíclica Dives in misericordia, 13).

Na Eucaristia, Cristo está presente e se oferece como vítima de “nossa reconciliação”. Como “filhos pródigos” reunidos e acolhidos pelo Pai, clamamos: “Olhai com bondade a oferenda da vossa Igreja reconhecei o sacrifício que nos reconcilia convosco e concedei que, alimentando-nos com o corpo e o sangue do vosso Filho, sejamos repletos do Espírito Santo e nos tornemos, em Cristo, um só corpo e um só espírito” (Oração Eucarística, III).

Quais “filhos pródigos”, acolhidos e introduzidos pelo Pai no banquete de seu amor, reconhecemos: “Somos criaturas saídas de vossas mãos amorosas, mas naufragamos por causa do pecado. Vossa misericórdia veio em nosso socorro e, em Cristo crucificado e ressuscitado, reencontramos o porto da paz. Revestidos com a graça do perdão, proclamamos vossa misericórdia” (Prefácio da Penitência).

PRECES DOS FIÉIS

Presidente: Irmãos e irmãs, por toda Igreja e por cada um de nós, apresentemos nossas preces a Deus Pai Misericordioso, que nos acolhe em seus braços, dizendo:

T.: Iluminai, Senhor, o nosso coração.

1. Para que todos ministros ordenados, acolham os fiéis arrependidos que buscam o perdão que vem de Deus, oremos:

2. Para que todos os fiéis que se afastaram de Deus, sinta no coração o ardente desejo de retornar e buscar no amor misericordioso de Deus o desejo de conversão, oremos:

3. Para que o Senhor toque o coração de todas as pessoas que não sabem perdoar, para que saibam exercitar o perdão que vem de Deus para com os irmãos, oremos:

4. Rezemos por cada um de nós, aqui reunidos, para que a misericórdia de Deus, nos prepare para os santos mistérios da Paixão, Morte e Ressurreição de Jesus que em breve iremos celebrar, oremos:

Presidente: Senhor, nosso Deus, que abraçais os filhos que regressam, fazei que todos os fiéis que vos suplicam experimentem o vosso amor libertador. Por Cristo Senhor nosso.

Todos: Amém.

III. LITURGIA EUCARÍSTICA

ORAÇÃO SOBRE AS OFERENDAS:

Presidente: Ó Deus, concedei-nos venerar com fé e oferecer pela redenção do mundo os dons que nos salvam e que vos apresentamos com alegria. Por Cristo, nosso Senhor.

Todos: Amém.

ORAÇÃO PÓS-COMUNHÃO:

Presidente: Ó Deus, luz de todo ser humano que vem a este mundo, iluminai nossos corações com o esplendor da vossa graça, para pensarmos sempre o que vos agrada e amar-vos de todo o coração. Por Cristo, nosso Senhor.

Todos: Amém.

V. RITOS FINAIS

BÊNÇÃO E DESPEDIDA:

Presidente: Deus, Pai de misericórdia, conceda a todos vocês como concedeu ao filho pródigo, a alegria do retorno a casa.

Todos: Amém.

Presidente: O Senhor Jesus Cristo, modelo de oração e de vida, os guie nesta caminhada quaresmal a uma verdadeira conversão.

Todos: Amém.

Presidente: O Espírito de sabedoria e fortaleza vos sustente na luta contra o mal para poderem com Cristo celebrar a vitória da Páscoa.

Todos: Amém.

Presidente: (Dá a bênção e despede todos).

 

Conheça o Bispo
HOME
 
DIOCESE
Conselhos e Comissões
Centro Diocesano de Limeira (CDL)
 
CLERO
 
SERVIÇOS
Secretariado de Pastoral
Rádios
Links Uteis
+ Economato
 
 
CNBB
 
STA SÉ / VATICANO
 
CONTATO
© 2016 Todos os direitos reservados
Diocese de Limeira